O Paraguai lançará seu primeiro satélite artificial entre 2020 e 2021

        

 paraguay satellite "title =" cubesat-1 "/> 
 
<figcaption class= Ilustração artística de um nanosatélite CubeSat em órbita. (Clyde Space)

        

2 min. lendo

Segundo as projeções da Agência Espacial do Paraguai (AEP), o país sul-americano poderá lançar seu primeiro satélite artificial entre 2020 e 2021, com orçamento aproximado de US $ 290 mil, que inclui desde o desenvolvimento do hardware ] para cursos de pós-graduação para cientistas e técnicos.

O diretor geral de Execução e Desenvolvimento Aeroespacial do AEP, Alejandro J. Román, garantiu que em poucos anos teremos nossos primeiros satélites, na linha dos CubeSat (nanosatélites), para nos iniciar na era espacial. Foi durante a participação da AEP no I Ciclo de Divulgação Astronômica da Ciência do Sul, que culminou no sábado 17 de novembro na Universidad Iberoamericana (Unibe).

"O programa total pode custar US $ 290 mil (Gs. 1.690.700.000), o que inclui o desenvolvimento do hardware e os cursos de pós-graduação de nossos técnicos e funcionários. O primeiro (satélite) será desenvolvido pelo Japão eo segundo será totalmente paraguaio ", disse Román. O representante do AEP enumerou as vantagens e oportunidades que o Paraguai tem hoje por meio de seu compromisso com a ciência e a tecnologia espaciais.

"A indústria e a ciência aeroespacial não são mais um clube exclusivo de países ricos e poderosos. O Paraguai já faz parte dessa comunidade que também nos permitirá desenvolver ", disse Román, acrescentando que isso também nos ajuda a expandir as fronteiras do conhecimento, além das aplicações diretas que estarão na sociedade.

 paraguay satellite "width =" 1200 "height =" 674 "/> 
 
<figcaption class= Fotografia: Lily Mendoza

telecomunicações passando por a criação de tecnologia até inserção na agricultura e clima elementos-chave para um país agroexportador como o Paraguai, Alejandro também nomeou as aplicações científicas do projeto, o que permitirá construir uma melhor competitividade na academia

Anteriormente, a advogada Hebe Romero, diretora geral de Assuntos Jurídicos do AEP, comentou a breve história e atual conformação desta entidade, em meio a lacunas e grandes desafios. Ele observou que nosso país já faz parte de alianças, acordos e organizações internacionais no setor aeroespacial.

Ele ressaltou que, embora a instituição tenha nascido em 2014, no ano passado a AEP tem uma diretoria e trabalha permanentemente em um andar do Ministério da Defesa Nacional, em Assunção. Isso possibilitou que o AEP aparecesse no Orçamento Geral de Despesas da Nação a partir deste ano.

O país é o único na América do Sul que ainda não desenvolveu tecnologia aeroespacial, por isso a criação do programa espacial paraguaio marcará um marco na a história da tecnociência local. Hoje, no entanto, ele já é membro, por exemplo, do Escritório das Nações Unidas para Assuntos do Espaço Exterior (UNOSA).

Por sua parte, Aníbal Mendoza, também do AEP, destacou os projetos de educação científica que já tiveram sucesso, como os balões de alta altitude, que receberam muito apoio nos últimos anos, especialmente de escolas públicas.

Pensamento científico e cético

Foto: Lily Mendoza

O Coordenador do Ciclo de Disseminação Astronômica, Félix Piriyú, falou sobre a importância do desenvolvimento do pensamento cético na astronomia e astronáutica. Por um lado, ele falou da ufologia pseudociência que ainda tem muitos seguidores no Paraguai, apesar de não contribuir com conteúdo para o avanço do conhecimento.

Ele enfatizou a falta de evidências sobre a vida extraterrestre e descartou qualquer evidência sobre a inteligência extraterrestre em nosso planeta. Ele compartilhou alguns artigos científicos que investigaram meta-estudos sobre, por exemplo, o paradoxo de Fermi

.

"A visão cética que os cientistas têm é crucial para qualquer proposta teórica. Deve ser aplicado ao fazer grandes declarações ou afirmações extraordinárias sobre a vida fora da Terra ", disse ele.

Na segunda parte de sua apresentação, ele falou sobre a matéria escura e comentou o trabalho feito pelo Dr. Jorge Molina, juntamente com um grande grupo internacional de pesquisadores, para tentar encontrar esse fenômeno. Finalmente, agradeceu à AEP, Astronomy Paraguay, Unibe e Southern Science pela conclusão do ciclo, que começou em outubro.

foto: Lily Mendoza

0 que você achou deste artigo?

 1 estrela "title =" 1 estrela "onmouseover =" current_rating (8540, 1, '1 estrela'); "onmouseout =" ratings_off (5, 0, 0); "onclick =" rate_post () ; "onkeypress =" rate_post (); "style =" cursor: ponteiro; border: 0px; "/> <img id=

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *